segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Doppelganger



Doppelgänger é uma criatura lendária, que tem a origem dos seus relatos na Alemanha, que teria o dom de representar uma cópia idêntica de uma pessoa que ele escolhe ou que passa a acompanhar (como dando uma ideia de que cada pessoa tem o seu próprio). Ele imita em tudo a pessoa copiada, até mesmo as suas características internas mais profundas. O nome Doppelgänger se originou da fusão das palavras alemãs doppel (significa duploréplica ou duplicata) e gänger(andanteambulante ou aquele que vaga).

Uma outra teoria sobre o que poderia ser o Doppelgänger é ainda mais terrível que a primeira. A teoria é que, em algum lugar no mundo, existe alguém igual a você para manter o equilíbrio e que essa pessoa teria características completamente contrárias a sua. Não que essa pessoa sejam totalmente ao contrário em suas atitudes, mas sua carga molecular seria. Em que isso resultaria, a teoria não sabe explicar. Porém, um item bastante claro é que, encontrar pessoalmente o seu Doppelganger significaria a morte de ambos.

Um caso bastante curioso de Doppelganger  aconteceu com a professora Emilie Sagée, de 32 anos. Ela alega ter visto seu Doppelgänger do outro lado da janela da sala de aula onde lecionava. Os seus alunos também viram o Doppelgänger da professora e ficaram chocados. O Doppelgänger da professora apareceu quando ela escrevia no quadro-negro. Seu Doppelgänger já aparecia regularmente no refeitório e nos corredores da escola. Esse acontecimento resultou na demissão da professora. O caso foi contado pelo escritor americano Robert Dale Owen.

Explicação Científica:

O fenômeno Doppelgänger, segundo os meios científicos, é provocado pelo mau funcionamento da junção temporo-parietal, uma região do cérebro responsável pela integração de várias sensações (táteis, visuais e de posicionamento do corpo) que constantemente chegam ao cérebro, "montando" a forma pela qual se entende o mundo e o posicionamento do corpo em relação ao que está ao redor. O mau funcionamento dessa região pode, portanto, acarretar o desacoplamento da percepção inconsciente do corpo e da sua representação no espaço. Quando as sensações táteis, de equilíbrio e visuais não coincidem entre si, a compreensão da localização do corpo e do que é pessoal ou extrapessoal perde-se, e tem-se a origem da intrigante sensação autoscópica ou extracorpórea, o que poderia explicar a visão do Doppelgänger.

Independente da razão, a maioria dos seres humanos sente-se perturbado se souber que não é único, que existe pelo mundo um outro ser de aparência igual a sua.

Vocaloid - Alice Human Sacrifice



O Caso Alice permanece, até hoje, como sendo um dos crime mais estranhos e misteriosos do Japão. De 1999-2005, aconteceu uma série de cinco assassinatos, que não teriam relação nenhuma entre si se não fosse por uma carta à polícia que o assassino deixava na cena do crime. Ele deixava uma carta de baralho (O tipo de carta variava com o crime) em cada local, com o nome “Alice” escrito com o sangue da vítima. Poucas pistas foram encontradas, e eventualmente o caso foi trancado.

Abaixo, estão os detalhes de cada crime:

Sasaki Megumi:

A primeira vítima foi Sasaki Megumi, uma moça de 29 anos, dona de um restaurante.

Aqueles que a conheciam, descreviam Megumi como uma moça de temperamento curto e uma língua afiada quando lidava com os empregados. Ela era bem conhecida pelos seus clientes graças à sua dedicação ao trabalho e excelente comida. Fora do ambiente de trabalho, Megumi era muito sociável e ia à muitas festas.

E foi depois de uma destas festas que ela desapareceu. Megumi decidiu voltar para casa à pé, sendo que estava na casa de um amigo que ficava há apenas uma quadra de distância, e ela estava um tanto quanto bêbada para dirigir. Algumas pessoas lhe ofereceram carona, mas ela negou. Megumi foi vista saíndo da festa à uma da manhã, e foi a última vez que ela foi vista com vida.

Na manhã seguinte, um casal passeando pelo bosque, que ficava há um quilômetro de distância da casa de Megumi, viu uma trilha de sangue em um caminho pouco usado do bosque. Curioso, o casal seguiu a trilha, e encontraram o corpo de Megumi. Ela foi esquartejada, e seus membros foram empalados em galhos de árvores. O casal chamou a polícia.

Foram os policiais que encontraram a carta de baralho, enfiada na boca de Megumi. Era um Valete de Espadas, com a palavra “Alice” escrito, como mencionado anteriormente.

Não havia impressões digitais, nem DNA na cena do crime. Havia vômito no local, mas a mulher do casal revelou ser dela.

Yamane Akio:

Yamane Akio era um vocalista pouco conhecido de uma banda que não tocava em outros lugares além de bares. Seus amigos o descreviam como uma pessoa carinhosa, que nunca levantava a voz para os outros fora dos palcos. Depois de sua morte, a banda acabou, não tendo coragem de encontrar um novo vocalista.

Akio foi levado de seu apartamento em 11 de Fevereiro de 2001. Seus colegas de banda foram as últimas pessoas a vê-lo com vida, já que ensaiaram com ele mais cedo no mesmo dia.

Naquela noite, sua namorada foi visitá-lo, e ficou surpresa em encontrar a casa vazia. Nos dias que se seguiram, Akio foi dado como desaparecido, e uma busca por ele começou.

A câmera de segurança do prédio mostrou uma figura encapuzada entrando por uma porta lateral, saíndo algum tempo depois com um grande saco de lixo de formato estranho. Essa misteriosa pessoa nunca foi encontrada, e ninguém a vira pessoalmente no dia do sequestro. Acredita-se que esse homem seja o assassino, mas seu rosto nunca apareceu nas filmagens da câmera, impossibilitando seu reconhecimento.

Na semana seguinte, o dono do bar “Yoshida’s” (Onde a banda constantemente tocava) estava abrindo o local quando se deparou com uma cena horrenda. Jogado sobre uma mesa, estava o corpo de Akio. Suas cordas vocais foram arrancadas de sua garganta, e ele havia levado um tiro na cabeça. Sua carta de “Alice” era um Rei de Ouros e foi encontrada em suas mãos, juntamente com as cordas vocais arrancadas.

Kai Sakura:

A adolescente Kai Sakura tinha a vida toda pela frente. Ela era uma garota doce, e muito amada pelos seus colegas e parentes. Ela queria ir para a faculdade, se tornar uma designer de moda, e faltava apenas uma semana para sua formatura no Ensino Médio quando ela foi sequestrada.

A família de Sakura tentou insistivamente encontrá-la, e toda a cidade ajudou na busca pela garota perdida. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, enterrado em uma cova rasa. Não parecia que o assassino queria escondê-la, pelo contrário, ele marcara a cova com a carta “Alice” dela, uma Rainha de Paus. A carta estava presa por um palito no topo da cova.

O corpo de Sakura fora horrivelmente mutilado. Os olhos dela foram arrancados do corpo, a pele esfolada, e a boca cortada. Uma coroa havia sido costurada à sua cabeça, provavelmente enquanto ainda estava viva. Nenhum crime sexual fora cometido, tanto pre- quanto post-mortem.

Juntamente com o corpo de Sakura, havia um bilhete, escrito em uma letra inteligível. O bilhete continha frases desconexas, algumas impossívels de ler. “A morte é um sonho distorcido”, “Ela vai sempre comandar”, e “Ha!Ha! Aqueles que morrem são os sortudos.”, eram algumas das frases que estavam escritas, entre outras. Tentaram reconhecer a letra do assassino, mas sem sucesso.

Oshiro Hayato e Hina:

Estes dois foram as últimas vítimas. Hayato e Hina eram irmãos, e muito próximos.

Hina era a irmã mais velha, e era muito teimosa. Seu irmão mais novo, Hayato, era muito esperto, até pulara uma série na escola, ficando na mesma sala que sua irmã. Os dois raramente brigavam, ao contrário de outros irmãos na mesma idade que eles.

Os dois foram encontrados mortos em suas camas, em 4 de Abril de 2005. A causa da morte foi uma injeção letal. A janela do quarto estava aberta, e deduziu-se que o assassino invadira a casa em silêncio o suficiente para cometer o crime sem acordar os dois, saíndo da casa logo em seguida. Cada criança segurava uma carta de Ás de Copas, que, ao serem colocadas lado a lado, formavam a palavra “Alice”.

Uma pegada lamacenta foi encontrada no carpete, mas estava tão danificada que foi impossível identificá-la. Essa foi a única pista, fora a carta, encontrada no local do crime.

Um ano mais tarde, a mãe de Hayato e Hina cometera suicídio por causa da depressão. O pai deles, que ainda está vivo, faz terapia extensiva para tentar superar a morte de toda sua família. Até este momento, ele se encontra em depressão profunda, sendo fortemente medicado.

Consequências:

Um pouco depois da morte dos irmãos Oshiro, um homem chamado Suzuki Yuuto foi preso pelos assassinatos. Ele era um vagabundo com problemas mentais, que dizia “não se lembrar” onde estava no momento dos assassinatos. O mais absurdo de tudo é que ele foi encontrado usando o casaco que pertencia a Yamane Akio. Um pouco de sangue que havia na manga deu resultado positivo que era de Akio.

Yuuto, que estava desesperado à esta altura, declarou que um “demônio negro sem rosto” havia lhe dado o casaco.
Yuuto foi liberado quando um abrigo de sem-teto disse que Yuuto ficara por lá na noite do assassinato de Sakura. Como o abrigo ficava longe da casa de Sakura, não havia como Yuuto cometer o crime e voltar para o abrigo sem ser notado.

Em 30 de Abril de 2008, um produtor conhecido como Yugami-P colocou sua primeira música no site nicovideo (N/T: Um site japonês de vídeos), chamado Hitobashira Arisu, traduzido livremente como Alice of Human Sacrifice (Alice do Sacrifício Humano).


Acredita-se que a música foi baseada no Caso Alice. Conta a história de um sonho que atrái as pessoas para seu mundo, e depois conta a história de cada “Alice”.

A música traz algumas relações com cada assassinato. A primeira Alice (dublada por MEIKO) foi presa em um bosque, que foi onde o corpo de Megumi foi encontrado. A segunda Alice (dublada por KAITO) era um cantor que “levara um tiro de um homem louco”. A terceira Alice (dublada por Hatsune Miku) era muito amada, virou a rainha do país, e foi possuída por um “sonho distorcido”. A quarta Alice (dublada por Kagamine Rin/Len) era um casal de gêmeos considerados apenas uma “Alice”. Eles eram descritos como uma irmã mais velha “resistente” e um irmão mais novo “inteligente”. Também falava que eles “ainda precisavam acordar”, uma possível referência ao fato de que ambos morreram enquanto dormiam. Além disso, as cartas encontradas com os corpos foram mencionadas.

Yugami-P nunca disse nada sobre seu vídeo ter relação com os assassinatos, mas todos acreditam que sim.


terça-feira, 21 de agosto de 2012

Shadow People


Você tem medo do escuro? Alguma vez, envolto pela escuridão, você teve a impressão de ter visto “algo”?

O medo do escuro é um medo que acompanha o homem desde o inicio da Humanidade. Mas os homens teriam motivo para temer o escuro? Talvez…

Existe um mistério que está presente em todos os períodos da história, diversos testemunhos de diferentes épocas relatando a mesma coisa: o “fenômeno das pessoas sombras”.  As pessoas sombra - também conhecidos como: fantasmas da sombra, vultos, seres da sombra, homens da sombra, ou povo da sombra – seriam entidades sobrenaturais em sua maioria com forma humanoide que, segundo relatos, são vistos em sua maior parte pela visão periférica durante o estado de vigília (estado entre estar acordado e dormindo).

São considerados na cultura paranormal como algum tipo de espíritos maliciosos ou malignos. Diversos princípios científicos podem ser usados para tentar explicar o fenômeno das pessoas sombra, desde ilusões óticas, alucinações trazidas sobre circunstâncias psicológicas, paralisia do sono, ou até mesmo pelo fenômeno conhecido como pareidolia.

O fato é que existem vários relatos ao redor do mundo de pessoas que afirmam terem visto ou tido algum tipo de contato com tais criaturas principalmente durante o estado de vigília. E os relatos não são apenas de agora, como relatado anteriormente, vem desde épocas remotas, sendo os primeiros casos relatados em manuscritos encontrados em abadias do século IV.

Estudiosos acreditam que eles sejam uma espécie de Yurei na visão do Japoneses, eram os Sucubus descritos na Idade Média e os Qarinah dos contos árabes… e tem até aqueles que digam que eles são os Ceifadores, os anjos da morte. Um dos maiores nomes no estudo desse tema é Rosemary Ellen Guiley. Rosemary investiga fenômenos  paranormais dessa natureza há anos. Diz Rosemary que as sombras tem um comportamento comum: se movem rapidamente rodeando o observador ou permanecem estáticas ao seu lado, causando na maioria das vezes um sentimento de temor e/ou paralisia.


Algumas teorias foram levantadas sobre quem ou o que poderia ser essas entidades, sendo as mais aceitas as seguintes:

1.          Fantasmas ou espíritos desencarnados atormentados;
2.          Entidades não-humanas, como demônios ou anjos;
3.          Aliens, formas de vida com base estrutural diferente;
4.          Viajantes do tempo no hiperespaço;
5.         Criaturas de um universo de 2 dimensões que por algum motivo desconhecido invadem o universo tri-dimensional.

Os investigadores também ressaltam que supostamente essas criaturas são mais visíveis na completa escuridão. A luz, de algum modo, tornaria-os invisíveis aos nossos olhos, embora algumas fotografias tenham captado as supostas entidades em plena luz do dia.

GhostHouse.exe



Um dia, quando estava na página inicial do site Clickteam, eu estava dando uma olhada na seção de jogos em exibição, e nisso, encontrei um jogo chamado "Ghosthouse". Ele era o 1º lugar na lista de jogos do mês, então decidi experimentá-lo. O estranho é que a imagem abaixo do título do jogo não carregou. Eu atualizei a página, mas ainda assim ela não carregava. Tentei usar o Google Chrome (eu estava usando o Internet Explorer, anteriormente), e a imagem ainda não fora carregada. Com isso, simplesmente presumi que eles não tinham uma imagem para o jogo.

Ao clicar no link de download, ele veio com uma caixa de diálogo com apenas um arquivo executável chamado "GhostHouse.exe." Era o único arquivo que precisava ser baixado, e com isso em mente, eu baixei o jogo em meu disco rígido. Assim que o download terminou, o som de confirmação de download (DING!) fora substituído com o som de erro ou corrupção. Verifiquei o arquivo, mas ele estava lá em meu desktop; nada de errado com ele.

Eu queria muito jogar aquele jogo, mas precisava ir tomar conta da filha de minha tia Becky (o que significava que eu também tinha que ficar de olhos nas suas sobrinhas, Jessie e Carlos, yay), então transferi o arquivo para um CD-RW e levei-o comigo. Poucos minutos depois de ficar confortável em sua casa, eu entrei em seu quarto, e coloquei o CD no computador. Carlos queria saber o que eu estava fazendo, e eu disse a ele que estava prestes a instalar um jogo. Ele perguntou se podia assistir, e eu disse que tudo bem. Quando a pasta do CD carregou, cliquei duas vezes no ícone do jogo, e comecei a jogá-lo.

Foi ai que as coisas começaram a ficar estranhas. Alguns segundos depois que eu cliquei no ícone, a tela começou a piscar. Em seguida, o título do jogo apareceu. Não havia nenhuma introdução, nenhum logotipo de inicialização, nada; simplesmente fui levado direto para a tela de título. Havia apenas três opções - Novo Jogo, Carregar Jogo, e Opções. Dei uma olhada nas Opções, e havia apenas três configurações lá: Música, Som e Sair. As caixas de som de lá não funcionavam, então a única coisa que eu podia fazer era Sair. A opção Carregar parecia não funcionar. Pelo menos, ainda sobrava uma ultima opção... Novo Jogo. Apertei a Barra de Espaço, e fui colocado direto no jogo, sem nenhuma história ou enredo para me explicar o que estava acontecendo.


A jogabilidade era apenas um jogo de tiro em primeira pessoa, onde você tinha que eliminar todos os fantasmas e escapar de lá vivo. Havia somente um contador de fantasmas e uma barra de vida. Quanto aos gráficos, eles eram em preto-e-branco, mas em 3D (3D real, não igual ao jogo Wolfenstein 3D). Parecia com gráficos que você normalmente veria em um jogo de Playstation 1. Não havia realmente muito mais a dizer sobre ele... exceto por uma única sala. Ela estava infestada por fantasmas, provavelmente de uns 8 a 12 fantasmas. Eu estava apanhando pra caralho lá dentro; minha barra de vida diminuía cada vez mais a cada segundo. Pouco tempo depois, eu estava morto. Um texto, dizendo "GaME OvEr", em uma fonte sangrenta e quase ilegível. Em seguida, o computador me deu uma tela azul de erro. Porém, não havia nenhum texto branco sobre ela, apenas uma tela azul brilhante e sem vida. Fiquei revoltado, e decidi desligar o computador.

Mas antes de fazer isso, Carlos me disse para olhar para a tela. Havia ficado tudo escuro, e eu podia ouvir um som de baixa freqüência zumbindo do computador... Mas isso não era possível, já que as caixas de som não estavam funcionando. Em seguida, na tela, vimos uma foto do rosto de alguém, mas a foto fora imediatamente quebrada em pedaços e espalhada por toda a tela. O zumbido ficou mais alto, o que fez com que pulássemos de susto. O computador fez isso mais umas três vezes, antes do fim deste "vídeo". Ele mostrou um texto branco, somente dizendo: "NADA FORA ENCONTRADO". Pensando no rosto que aparecera, ele se parecia um pouco com o rosto da Jessie, mas era difícil de dizer. Eu e Carlos nos olhamos por alguns segundos, antes de irmos para o outro quarto, chocados.

Algumas semanas depois, recebi um telefonema da casa da tia Becky. Mas quando atendi ao telefone, tudo que eu podia ouvir era alguém dizendo algo parecido com: "RED...ED...R-UM...". Parecia muito com a voz de Carlos. Assustado, fui para a casa deles o mais rápido possível (eles moravam a poucas quadras de distância de mim, então não era uma viagem muito longa). Assim que cheguei lá e chamei as crianças, ninguém respondeu. Aparentemente, não havia ninguém na casa. A TV estava ligada, mas sem sinal e com um barulho horrível de chiado. Aquilo me deixou assustado, mas infelizmente criei coragem, e fui direto para a sala de jantar... Lá dentro, encontrei Jessie, deitada no chão, e com seu rosto literalmente mutilado. Eu conseguia ver os ossos por baixo de sua carne. No chão, ao lado dela, estavam pedaços de sua pele, colocados em uma pilha. Logo depois de ver aquilo, de repente, o computador começou a fazer um barulho extremamente alto, e em seguida, deu um pipoco, e aparentemente queimou. Aquilo tudo fez com que eu quase me cagasse nas calças. Depois disso, fui correndo chamar a polícia.

Liguei para o 190, e eles imediatamente chegaram lá. Eu estava esperando do lado de fora, e quando eles chegaram, corri direto para o policial, dizendo-lhe o que havia acontecido. Eles correram para dentro, revistaram a casa toda, mas não encontraram nada. Ele então me avisou para nunca mais pregar uma pegadinha daquelas novamente, ou eu estaria em apuros.  Enquanto eles iam embora da casa de Becky, eu me perguntava: "O que eles queriam dizer com ‘não encontraram nada lá dentro?’". Voltei lá pra dentro, e para minha surpresa, todo mundo estava na sala de estar, exceto Jessie. Perguntei onde ela estava, e Becky simplesmente respondeu: "Não sei, me diga você, eu não a vejo desde a noite que você veio cuidar das crianças.”

 Lenda? Segue abaixo o link para baixar o suposto jogo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Trilhas Sonoras de Horror nos Jogos

Hoje resolvi fazer um post diferente. Já comentei em outras oportunidades que o verdadeiro horror não pode ser explicado, somente sentido. Por isso acredito que uma verdadeira obra-prima do terror deva reunir diversos elementos aterrorizantes que se completem. Poucas obras de terror alcançam a complexidade e a imersão que os jogos de terror proporcionam, pelo motivo justamente dos diversos elementos ocorrendo ao mesmo tempo ao redor do jogador.

Um desses elementos pelo qual eu tenho um carinho especial é a trilha sonora dos jogos de terror. A verdade é que enquanto jogamos normalmente não prestamos atenção à musica de fundo, mas ela é essencial para qualquer clima ou trama.

Eu particularmente ouço a trilha sonora desses jogos o tempo todo enquanto escrevo, e decidi compartilhar um pouco de meu gosto aqui no blog. Publicarei a seguir algumas dessas trilhas, que ficam bem mais interessantes se você estiver sozinho e à noite.

Aconselho a ouvirem essas músicas especialmente aqueles que não tiveram contato algum com os jogos, essas músicas são ótimas para você se desligar um pouco do dia-a-dia, mas talvez não para melhor.

Silent Hill 1 Theme



Silent Hill 2 Promise


Silent Hill 3 - Never Forgive Me, Never Forget Me



Silent Hill 4 - Room of Angel


Resident Evil 0 Save Room


Resident Evil 2 Save Room


Lavender Town Original Theme - Essa é famosa trilha original, com o suposto "zumbido" fantasma


Bonus - Ceremony (Secret of Mana) - Essa música em um jogo para criança, sério?


Ao ouvirem essas trilhas (que foram selecionadas de acordo com meu gosto pessoal) talvez alguns questionem que as músicas não são tão assustadoras, apenas melancólicas e tristes. Bem, a verdade é que estes sentimentos estão bem próximos ao medo, e meu objetivo aqui não foi dar sustos em ninguém enquanto ouviam, apenas que parassem e pensassem como músicas simples podem alterar nossos sentimentos e nos lembrarem de momentos ruins.
Eu mesmo usarei o link desses post para ouvir as músicas enquanto escrevo, tenham bons sustos.

domingo, 12 de agosto de 2012

Fallout - A Estação dos Números (Number Station)


Fallout 3 (Jogo) contém várias estações de rádio dentro do jogo. A estação mais importante é a Galaxy News Radio (N/T:Radio de Notícas Galaxy – GNR). Muitos jogadores “maldosos” sabem que você pode matar o Three-Dog (N/T: O locutor) e ele será substituído pela técnica Margaret. Ela não tem uma personalidade carismática e tem muito pouco a dizer, parecendo que ela não gosta de seu novo trabalho.

Ela também nunca aparece pessoalmente, e portanto não pode ser morta. Assim que Three-Dog estiver morto, você estará preso à Margaret.

O que a maioria dos jogadores não sabe, entretanto, é que sob certas circunstâncias, a GNR pode se transformar em uma “estação de números”.

Uma estação de números é uma estação que transmite uma mensagem desconhecida em código. Muitas dessas existem na vida real e há hipóteses de que elas fazem parte de uma rede de controle nuclear. Cheque no Wikipedia para mais informações sobre estas redes, já que elas são relacionadas com o mundo real.

Bom, mas de volta a Fallout 3…

Ninguém tem certeza absoluta das instruções que devem ser seguidas para poder ouvir a estação de números em Fallout 3. Parece que você precisa matar o Three-Dog, porque ninguém conseguiu até agora ouvir a estação de números com ele ainda vivo. Também parece que você precisa pular a missão“Galaxy News Radio”, onde você ajuda a aumentar o sinal para que a estação possa ser ouvida além da área de DC. Isso é fácil de fazer usando um verificador de palavras ou simplesmente usando o FalloutWiki para olhar aonde você deve ir para avançar na história. Finalmente, você definitivamente precisa escolher destruir Raven Rock (N/T: Pedra do Corvo). Este é o gatilho para transformar a GNR em uma estação de números e ela permanecerá assim pelo resto do jogo.

Entretanto, é grande número de jogadores que fez esses três passos e continuou a ouvir a GNR normal, então provavelmente devem ter outros requerimentos que os leitores precisam descobrir.

Se você for sortudo o suficiente e ter conseguido fazer tudo certo, logo após ter destruído a Raven Rock, você receberá a mensagem “Sinal de rádio perdido”, e alguns segundos mais tarde, “Sinal de rádio encontrado”. Você não pode, no entanto, ouvir a GNR apenas porque você ainda não aumentou o sinal e a saída de Raven Rock é fora do alcance da rádio. Por sorte, Raven Rock é situada nas montanhas e perto de um dos poucos lugares fora de DC onde você pode ir alto o suficiente para pegar o sinal. Até agora, os locais confirmados para ouvir a rede de números da GNR são:

1 - Dentro das imediações de DC, obviamente. Essa é para a GNR normal durante o jogo.

2 - No topo da roda-gigante que fica naquela ilha caipira. Eu não me lembro do nome agora.

3 - No topo de algumas antenas de comunicação via satélite, que você pode escalar na área noroeste do mapa.

4 - No telhado da Tenpenny Tower (N/T: Torre Tenpenny), apesar de que está dentro da área de sinal da rádio normal.

5 - No ponto mais alto da ponte quebrada perto de Arefu. Novamente, esta também funciona com a rádio normal.

6. Em alguns dos pontos mais altos das montanhas na área perto de Raven Rock. Esta é, obviamente, a tentativa mais fácil de ouvir a estação de números.

Quando você sintonizar, você vai ouvir uma velha voz familiar; é o Three-Dog, embora você o tenha matado anteriormente. Você vai perceber rapidamente que ele não parece estar “na personagem”, então eu acredito que na verdade não é exatamente o Three-Dog, e sim seu dublador, Erik Dellums. Ele lê uma série de números em uma voz monótona e depressiva, sempre recitando uma lista de dígitos únicos, de nove a doze caracteres, por exemplo “nove-três-sete-nove-um-sete-dois-zero-três-quatro”. Ele nunca usa números com mais de um dígito, como “onze” ou “quarenta”. Estes números são seguidos por um segmento variante de código Morse. A música “I Don’t Want to Set the World on Fire” (N/T: “Eu Não Quero Colocar Fogo no Mundo”, de The Ink Spots, e é a abertura do primeiro Fallout) toca logo em seguida. Todas as outras músicas parecem estar inativas na estação de números.

O código Morse foi a parte mais fácil de descobrir do mistério, já que o código é fácil de encontrar e muitos sabem de cor. Rapidamente nós conseguimos uma lista com um grande número de mensagens em inglês. Algumas pareciam totalmente mundanas e até mesmo engraçadas, como “Lavei o carro hoje, talvez chinês no jantar”, ou “Você assistiu meu vídeo no Youtube? Eu me filmei chutando as bolas de vagabundos”.

Você deve estar dizendo, “Mas espere, o Youtube não existe no universo de Fallout”, e você está certo. Mas até onde pudemos perceber, todas as mensagens parecem estar baseadas na nossa realidade, em algum lugar próximo dos dias atuais.

Algumas mensagens, porém, são um tanto quanto sinistras, como “A Rainha morreu hoje. O mundo lamenta, em dias como o de hoje, todos nós somos britânicos.”, ou “Eu não acredito que eles conseguiram. Nada mais resta. O som. Eu não aguento mais o som. Eu tenho uma pistola no sótão.”

Só recentemente, um jogador no wikiforums postou uma mensagem que trouxe uma luz ao significado das mensagens. Ele estava lendo um tópico que havia coletado todas as imagens conhecidas, traduzidas do Morse para o inglês, e ele viu a linha “um-dois-zero-cinco-cinco-dois-oito-dois-zero-um-zero. Do que você está falando? Sentiremos sua falta.”. Ele percebeu que era referente a morte recente de Gary Coleman, e ele notou rapidamente que os números eram a data e a hora da morte. (N/T: Gary Coleman, ator, morreu em 28/05/2010 (05/28/2010, em data “americana”), às 12:05am). Ele imediatamente leu todas as mensagens e tentou buscar mais exemplos dessa aparente “profecia” dita por um jogo que tem mais de um ano de idade. A próxima mensagem que ele leu o chocou, e o fez alistar outras pessoas para decifrarem os códigos. A mensagem era “nove-quatro-cinco-quatro-dois-zero-dois-zero-um-zero. Acidente no golfo, muitos mortos. Derramamento de óleo aparentemente evitado.”. Ele percebeu que esta era a explosão da BP (N/T: British Petroleum. O acidente começou em 20/04/2010 e terminou em 15/07/2010) e a avaliação errada do primeiro dia, que dizia que o poço não estava vazando.

A partir daí, todos os números foram transcritos como datas e horários. Todos os horários foram colocados no jogo em formato militar, e assim permanecem neste documento. Nós logo descobrimos que a maioria das datas eram de antes do jogo ter sido lançado, algumas estranhamente eram do passado,“22:16 Abril 18, 1865. Ele está morto e a culpa provavelmente cairá sobre aquele ator, Booth. É melhor que Johnson não me coloque fora do pagamento.”. Esta vertente desperta uma nova dúvida sobre a versão oficial do assassinato de Lincoln.


Assim que a comunidade começou a colocar várias interpretações das mensagens, os moderadores do site imediatamente baniram todos que haviam postado e lido o post. Toda referência à estação de números foi removida do FalloutWiki, e um software de filtragem foi colocado no site para impedir a re-postagem de qualquer outra informação relevante. Algumas pessoas, no entanto, ainda trocam emails hoje e lentamente terminam as traduções das mensagens restantes e colocam as datas nas existentes.

“Nem acredito que pegaram ele, isso vai feder!” 23:32, 2 maio de 2011
“A Rainha morreu hoje. O mundo lamenta, em dias como este, todos nós somos britânicos” 4:02, 19 de Março, 2014.

“Você assistiu meu vídeo no Youtube? Eu me filmei chutando as bolas de vagabundos” 4:16, 24 de Dezembro, 2022.

“Eu não acredito que a Britney ganhou um Oscar!” 21:33, 27 de Fevereiro, 2023.

“Eu não acredito que eles finalmente conseguiram. Nada mais resta. Eles foram avisados, mas continuaram a violar os limites da ciência. O som. Eu não aguento mais o som. E a luz, meu Deus! O Universo está lentamente se torcendo ao nosso redor. Eu não vou esperar pela morte. Eu tenho uma pistola no sótão.” Esta é a única mensagem que não é seguida por números.
Talvez seja interessante destacar que a última data de algumas mensagens é1:27, 6 de Julho, 2027.

Nos fóruns, várias teorias sobre as mensagens surgiram. Uma das mais interessantes é uma das teorias que dizem que as mensagens foram propositalmente inseridas pela Bethesda para transmitir essa mensagem à uma pessoa em específico, ou um conjunto de pessoas em específico, que teriam como objetivo, alterar os pontos negativos para impedir que o último ponto acontecesse! Outra teoria muito legal fala que Fallout é uma visão de um futuro alternativo, que já aconteceu e que foi impedido por causa de mensagens enviadas ao passado e que por algum motivo estranho, dessa vez, as mensagens tiveram que ser entregues com a visão desse futuro à essa pessoa/grupo que é responsável que o fim alcance a humanidade.

Independente do que realmente signifique essas mensagens e seus propósitos, elas continuam a surgir mais e mais na Internet, de forma mais intensa na DeepWeb por não haver restrições. Algumas são mais sinistras que as originais dos primeiros tópicos dos fóruns que descobriram as mensagens ocultas. Se são verdade ou não, só o tempo dirá.

Manequim

1º de junho, 1922 
Querido diário,
Comprei um manequim para pôr meus acessórios na vitrine da loja. Foi uma pechincha, parece que seu último dono foi preso e por isso seus pertences foram leiloados. É estranhamente pesado para um manequim, mas é um manequim afinal de contas. Estou muito feliz, já que provavelmente atrairá mais mulheres para minha loja de roupas.

5 de junho, 1922
Querido diário,
Eu estava trabalhando na loja hoje quando um cliente alarmado me disse que o manequim o estava encarando. Isto é estranho, já que o manequim não possui olhos. Apenas uma face em branco. Fui verificar o manequim, e pareceu mesmo que ele estava me encarando intensamente. Estranho.

6 de junho, 1922
Querido diário,
Hoje o dono da loja de penhores vizinha sumiu. Fiquei triste, já que éramos amigos. Também parece que meu manequim desapareceu. Deve estar nos fundos.

7 de junho, 1922
Querido diário,
Achei meu manequim. Algum louco o vestiu com as roupas do dono da loja de penhores e o colocou do outro lado da janela! Eu sou agora suspeita de assassinato do pobre homem! Isso é completamente absurdo! Eu mal posso esperar até ele ser encontrado!

15 de junho, 1922
Querido diário,
Hoje eles declararam o pobre homem como morto. Eu sou a maior suspeita de tê-lo assassinado. Estou muito assustada! Porque a polícia pensa que fui eu?!

1º de julho, 1922
Não

3 de julho, 1922
Alguém arrancou uma folha inteira do meu diário. Para substituir a página, resumirei o final de junho. Minha irmã está desaparecida. Novamente, algum assassino cruel colocou as roupas no meu manequim! Meus clientes continuam me contando histórias de manequins encarando, e agora fazendo expressões faciais para eles. Eu vou tirar este manequim daqui e vendê-lo, está assustando os clientes.

4 de julho, 1922
Você vai se arrepender disso

5 de julho, 1922
Algo está acontecendo. O manequim foi movido até o fundo da loja. Eu ouço pessoas batendo na minha porta à noite, minha janela foi arrombada. Eu ainda não achei um comprador para o manequim. Eu mandei um anúncio para o jornal, mas alguém trocou-o pelas palavras "Não não não não não não!".

10 de julho, 1922
Minha mãe! Ela desapareceu também! Independente do lugar onde fico na loja, o manequim agora não para de me encarar! Minha pobre mãe! Onde será que ela está?

17 de julho, 1922
As roupas dela! As roupas dela NO MANEQUIM! Eu não acredito que me tomou tanto tempo para entender, mas eu acho que é o manequim!

18 de julho, 1922
MORRA
-

Esse diário era um dos itens encontrados na casa da desaparecida Mary Stanfield. Suas roupas foram encontradas no manequim de sua loja. O manequim foi vendido a um novo dono em NY.

Sonic - Tails Creepypasta, A morte de Tails


Eu sou um clássico jogador de Sonic the Hedgehog. Já tive muitos dos consoles da Sega naqueles velhos tempos, mas desde que o Sonic mudou para o 3D, seus jogos se transformaram em lixo, incluindo aqueles ridículos jogos “Sonic Adventure” que todo mundo vive falando. Eu odeio quase TODOS os jogos modernos do Sonic. Parei de jogar seus jogos por um bom tempo, até que um dia eu encontrei meu antigo Master System, e que milagrosamente, estava funcionando perfeitamente quando testei a minha fita do jogo Shinobi. Porem, quando eu coloquei o meu Sonic the Hedgehog 2, infelizmente não funcionou.

ntão fui procurar este jogo em todas as lojas possíveis. Depois de horas de busca, finalmente achei o cartucho em uma loja que vendia jogos usados e por um preço muito barato. Muita sorte, não? Comprei o cartucho, e fui correndo para a minha casa para jogá-lo em meu velho Master.

Tudo estava perfeitamente normal; eu estava jogando e tendo muita diversão em minha viagem nostálgica. Na história deste jogo, Tails é seqüestrado e cabe a Sonic resgatá-lo do malvado Dr. Ivo Robotnik. Se você achar todas as Esmeraldas do Caos, você salvará Tails e obterá o final bom do jogo, mas se você chegar na fase “Scrambled Egg Act 3” sem elas, você simplesmente lutará contra Metal Sonic, e Tails será dado como morto, já que nos créditos, mostra o Sonic correndo por algumas planícies, até que ele pára no final e olha para o céu, e uma foto de Tails é vista, com a palavra “END” abaixo dela.

Este é a hora onde as coisas começaram a ficar mais estranhas. Eu zerei o jogo sem as Esmeraldas do Caos, porque estava com muita preguiça de procurá-las nas fases. Tudo estava normal, até chegar aos créditos…

Sonic estava aparentemente chorando, enquanto corria pelas planícies. Ele parecia muito triste, e havia lágrimas em seus olhos. Depois da imagem do Tails aparecer no céu, o jogo voltou à tela do logo da SEGA no inicio do jogo. Eu estava esperando pela a tela título aparecer, mas quando ela finalmente apareceu, fiquei… totalmente apavorado: Sonic e Tails estavam na tela de título, mas Tails estava completamente cinza, e havia buracos negros no lugar de seus olhos; ele parecia um zumbi.

Apertei Start e comecei o jogo mais uma vez, mas para a minha surpresa, na imagem que mostra Sonic e Tails, que normalmente aparece antes de começar alguma fase, Tails não estava lá; somente o Sonic estava dentro do carrinho minerador na foto da primeira fase. E quando o primeiro ato começou, Sonic mais uma vez estava chorando como nos créditos, mas a diferença era que eu conseguia controlá-lo normalmente.

Quando cheguei a um dos lugares onde originalmente havia a Esmeralda do Caos, não havia nada lá. Eu não tinha escolha a não ser terminar o nível sem ela. No terceiro ato da primeira fase, lá estava o primeiro chefe: um inseto robô, com pinças em sua cabeça. Nessa hora, eu não conseguia mais controlar o Sonic; ele simplesmente pulou no chefe, e para minha surpresa, foi cortado ao meio pelas suas pinças. Então, o jogo congelou em uma tela preta, e eu tive que reiniciá-lo.

Quando a tela de título apareceu novamente, Tails ainda estava cinza como um zumbi, mas o Sonic também estava diferente: ele não tinha expressão facial, seus olhos estavam completamente brancos e ele também não tinha boca. Naquele momento, eu sabia que aquilo era um jogo hackeado, mas eu comecei a jogá-lo novamente, mesmo assim. Logo após eu apertar o botão Start na tela de título, a tela cortou para um fundo preto, e na imagem que mostra antes da primeira fase, não havia mais ninguém, nem o Sonic nem o Tails.

Quando eu finalmente decidi desligar o jogo, a tela ficou completamente preta novamente, e um texto em vermelho sangue apareceu no meio, com a sigla “RIP”. Eu já tive o bastante desse jogo. Desliguei meu Master System e me livrei desta porra de cartucho. Eu nunca mais quero jogar nem sequer ouvir falar deste jogo.

Lua Pálida


Na última década, tornou-se muito fácil conseguir o que se quer, através de só alguns cliques. A internet fez tudo simples demais, e qualquer um pode usar um computador e alterar a realidade. Uma abundância de informação está meramente a um clique de distância, ao ponto em que é impossível imaginar a vida sendo diferente.

Ainda assim, uma geração atrás, quando as palavras “streaming”(fluxo) ou “torrent”(torrente) não tinha sentido, a não ser que fossem ditas em uma conversa sobre água, as pessoas precisavam se encontrar cara a cara para trocar softwares, programas,jogos de cartas e cartuchos.

É claro que a maioria desses encontros eram entre grupos de pessoas que trocavam jogos populares entre si como King’s Quest ou Maniac Mansion. Entretanto, pouquíssimos programadores conseguiam fazer seus próprios jogos para dividir entre esses círculos, que em troca passariam o jogo adiante se fosse divertido, bem desenhado e independente o suficiente. Esses jogos tinham fama de serem raros artefatos buscados por colecionadores pelo país todo. Era o equivalente a um vídeo viral nos anos 80.

Lua Pálida entretanto nunca havia saído da área da baia de São Francisco. Todas as cópias conhecidas estavam por lá. Todos os computadores que já tinham usado o jogo eram de lá. Esse fato se dá pelo seu programador ter feito pouquíssimas cópias.

Lua Pálida era um jogo “texto-aventura” no estilo Zork e The Lurking Horror, foi feito na exata época em que esse estilo estava saindo de moda. Ao iniciar o programa, o jogador era apresentado a uma tela quase vazia, exceto pelo texto:

-Você está em uma sala escura. Luz do luar brilha pela janela.

-Há OURO no canto, junto a uma PÁ e uma CORDA.

-Há uma PORTA para o LESTE.

-Comando?

Então começa o jogo que certa vez um escritor de uma fanzine descreveu como “enigmático, sem sentido, e totalmente injogável”. Ao que o jogo só apresentava os comandos PEGAR OURO, PEGAR PÁ, PEGAR CORDA, ABRIR PORTA, IR AO LESTE, o jogador recebia as seguintes instruções:

-Pegue sua recompensa.

-LUA PÁLIDA SORRI PARA VOCÊ.

-Você está na floresta. Existem três caminhos. NORTE, OESTE e LESTE.

-Comando?

O que rapidamente frustrou os poucos que jogaram o jogo foi o confuso e tiltado comportamento da segunda fase em diante – somente um dos comandos direcionais era o certo. Por exemplo, nessa ocasião, o comando para ir em qualquer direção que não fosse o NORTE faria o sistema congelar, fazendo obrigatório a reinicialização do computador.

Adiante, qualquer fase subsequente era tão somente uma repetição dos comandos anteriores, excetuando que eram somente as opções de direção que estavam disponíveis. Ainda pior, os comandos clássicos de qualquer jogo de texto-aventura pareciam inúteis. A única ação aceita que não envolvia movimentos era USAR OURO, que ocasionava o jogo a mostrar a seguinte mensagem:

-Não aqui.

USAR PÁ, que mostrava:

-Não agora.

E também USAR CORDA, que fazia surgir o texto:

-Você já usou isso.

A maior parte de todos que jogaram o jogo avançaram algumas fases até se enfastiarem com o fato de precisarem re-iniciar o computador o tempo todo e jogar o disco longe, descrevendo a experiência como uma interface porcamente programada. Entretanto, há uma verdade sobre o mundo dos computadores que é imutável, em qualquer Era: algumas pessoas que usam sempre vão ter muito tempo livre a sua disposição.

Um jovem rapaz chamado Michael Nevins decidiu descobrir se havia mais Lua Pálida do que podia se ver a olho nu. Após cinco horas e trinta e três fases de tentativas e muitos cabos de computador desconectados, ele finalmente conseguiu fazer o jogo mostrar um texto diferente. O texto na nova área era:

-LUA PÁLIDA SORRI ABERTAMENTE.

-Não há caminhos.

-LUA PÁLIDA SORRI ABERTAMENTE.

-O chão é macio.

-LUA PÁLIDA SORRI ABERTAMENTE.

-Aqui.

-Comando?

Passou-se quase outra hora até que Nevins tropeçasse na combinação apropriada de frases que fariam com que o jogo prosseguisse; CAVAR BURACO, DESCARTAR OURO, então TAMPAR BURACO. Isso fazia com que a tela mostrasse:

-Parabéns

—-40.24248—-

—- -121.4434—-

Ao que o jogo cessava de receber comandos e fazia o jogador ter de re-iniciar o computador uma última vez.

Após alguma deliberação, Nevins chegou a conclusão que os números referiam-se a linhas de latitude e longitude — as coordenadas levavam a um ponto na floresta crescente que dominava as adjacências próximas a o Parque Vulcânico Lassen. Como ele tinha muito mais tempo do que noção do perigo, decidiu ir ver o fim de Lua Pálida.

No dia seguinte, armado de um mapa, um compasso e uma pá, ele andou pelas trilhas do parque, percebendo impressionado como cada curva que ele fazia era exatamente igual as curvas do jogo. Após ter inicialmente se arrependido de ter trazido a ferramenta de escavação como que por puro instinto, ele acabou se convencendo de que sua jornada que tinha uma semelhança incrível com a do jogo poderia levá-lo a encontrar um excêntrico tesouro enterrado.

Sem fôlego após muita caminhada em busca das coordenadas, surpreendeu-se ao literalmente tropeçar em um monte de terra revirada. Cavando tão animado como ele estava, é de se entender o jeito como ele se jogou para trás em surpresa quando seus esforços o levaram a se deparar com uma cabeça em início de decomposição de uma menininha loira.

Nevin prontamente passou as informações para as autoridades. A garota foi identificada como Karen Paulsen, onze anos, dada como perdida para o Departamento de Polícia de São Diego a mais ou menos um ano e meio.
Esforços foram feitos para se encontrar o programador de Lua Pálida, mas os rastros da comunidade de troca de jogos e programas se perdiam e sempre acabavam de volta ao ponto de partida.

Colecionadores chegaram a oferecer mais de 6 mil dólares em uma cópia do jogo.

O resto do corpo de Karen nunca foi achado.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Versão lida e comentada da creepy:


Sabe uma coisa bizarra? se você realmente digitar as coordenada40.24248/-121.4434 no Google Earth você irá encontrar um ponto escuro no meio de uma floresta na California